Igreja de Nossa Senhora de Monte Sião (Matriz)

Igreja Matriz

Origem da Igreja de Nossa Senhora de Monte Sião

A Freguesia de Amora é mencionada na Crónica de D. João 1º (1384).

A origem da Igreja de Amora está ligada ao Santo Condestável, o Beato Nuno Alvares Pereira (1360-1431). Ele era o proprietário das terras ribeirinhas da baia do Seixal. Foi ele, provavelmente, que mandou erigir a primeira ermida (ou capela), dedicada a Nossa Senhora do Monte Sião.

No portal frontal da Igreja Matriz está esculpida a data de 1757, ano em que foi reconstruída depois do catastrófico terramoto de 1 de Novembro de 1755. Uma pedra tumular situada na entrada da igreja, a esquerda, lê-se a data de 1578. O púlpito, que se encontra no interior do igreja, tem esculpida a data de 1594. Tendo por base todas estas datas, podemos pensar que a Igreja de Amora, foi reconstruída em tempos pombalinos, e que, portanto, remonta, pelo menos, ao século XVI.

Os primeiros assentos religiosos são de 1608. Neste tempo já tinha funções paroquiais. Antes dessa data era provavelmente uma capela mais reduzida, situada no cume de uma colina, onde se venerava a imagem miraculosa de Nossa Senhora do Monte Sião. De facto, o Frei Agostinho de Santa Maria, no século XV, publicou uma obra com o título “Santuário Mariano”, dedicando um capítulo à igreja de Amora.

Eis as suas palavras:

No termo da Vila de Almada para a parte do sul, fica um lugar ou freguesia, a que dão o nome de Amora, e parte com a freguesia de Arrentela e Corroios. A igreja deste lugar se vê situada num outeiro que se levanta muito e nas fraldas deste monte se vê outra aldeia, que dizem Amora nova. É este monte, muito agradável e delicioso, não só pelos largos horizontes, que descobre a vista do Tejo; mas também por sua fertilidade, principalmente de vinhas … e arvoredos de fruta. O Título do orago desta paróquia é Nossa Senhora do Monte Sião. Nela se venera, com grande devoção, uma imagem da soberana Senhora, muito milagrosa, que se vê colocada na tribuna da Capela-Mor… Quanto à origem não há certeza alguma de onde veio esta Santa Imagem, nem consta quem a colocou naquele lugar, nem quem foi o fundador da sua primeira casa.

Segundo uma nota histórica da Junta de Freguesia de Amora, no ano de 1527, Amora registava acerca de 50 habitantes. No início do século XVII, registava 60 fogos e 250 habitantes. No início do século XIX, 256 fogos e 1100 habitantes. No censo de 1991, Amora contava acerca de 60.000 habitantes.

De aldeia, constituída maioritariamente por pescadores, transformou-se, num núcleo citadino de apreciáveis dimensões. Desde

Com o crescimento da população, foi necessário construir uma Igreja maior que pudesse não só apoiar as celebrações como também as várias actividades de apoio social.

Desde 2007, a Igreja de Nossa Senhora de Monte Sião continua a ser considerada Igreja Matriz, embora  a nova Igreja Beato Scalabrini seja a Igreja principal da Paróquia de Amora.

Horários das missas nesta Igreja

Consulte a página dos horários das celebrações na Paróquia da Amora.